Janeiro 28 2010

A engenharia genética é, hoje, uma área de investigação que revoluciona a nossa sociedade, retirando, analisando e reorganizando o património genético dos seres vivos.

 

O avanço avassalador da engenharia genética pelo nosso quotidiano exige que conheçamos algumas das suas sofisticadas e surpreendentes técnicas

 
 
 
 
Técnica do DNA recombinante
 
Esta técnica foi uma das primeiras a ser utilizada em engenharia genética.
Em que consiste a técnica do DNA recombinante?
  1. Isola-se o DNA de dois organismos (célula humana e bactéria)
  2. O DNA de cada organismo é fragmentado pela mesma enzima de restrição (enzima que cinde a cadeia de DNA do vírus quando encontra uma determinada sequência de pares de bases, ou seja, actua em pontos específicos, as zonas de restrição, catalisando o desdobramento do DNA em fragmentos menores).
  3. Formam-se extremidades livres das duas moléculas de DNA.
  4. A porção de DNA humano e o DNA plasmídeo, com as extremidades livres, são postos em contacto e são ligadas, por complementaridade, a partir de ligases de DNA, formando-se assim DNA recombinante.
  5. O plasmídeo recombinante em contacto com bactérias, pode introduzir-se nelas. Estas bactérias funcionam como células hospedeiras, aceitando o plasmídeo e, com ele, o novo gene.
  6. As bactérias crescem num meio selectivo. Só as que têm o plasmídeo recombinante é que se reproduzem, formando colónias. Assim, obtém-se várias cópias de gene humano.
 
NOTA: Os plasmídeos das bactérias foram os primeiros vectores, isto é, transportadores de genes de um DNA para o outro de uma célula hospedeira.
 
 
                          
 
 
Técnica do DNA complementar
 
Actualmente, a engenharia genética produz insulina humana através da técnica de DNA recombinante. Como se isolou o gene responsável pela produção de insulina humana?
 
A técnica do DNA complementar tem como ideia-chave o recurso ao RNA mensageiro existente em grande abundância em células do pâncreas produtoras de insulina.
Em que consiste esta técnica?
  1. Uma molécula de mRNA com uma extremidade poli A (AAA) é posta em contacto com enzima transcriptase reversa (enzima que catalisa a formação de DNA a partir de mRNA)
  2. Adicionam-se nucleotidos, nomeadamente de timina, que se ligam à extremidade poli A do mRNA
  3. A enzima transcriptase reversa vai catalisar a formação de uma cadeia simples de DNA a partir do mRNA
  4. Quando a síntese da cadeia simples de DNA se completa, o mRNA é removido.
  5. Promove-se a replicação do DNA
 
Como a técnica de através da qual se obtém o cDNA parte de uma molécula de mRNA madura, isto é, já desprovida de intrões, a porção de DNA que se isola está já numa forma funcional. Tal facto, torna a síntese de insulina mais fácil ao nível do procarionte onde é inserido o gene.
 
Técnica do DNA fingerprint
 
Em 1984, foi possível desenvolver uma técnica destinada a identificar geneticamente os indivíduos (DNA fingerprint).
A partir de uma pequena amostra de material biológico que contenha material genético, faz-se a extracção do DNA. Seguidamente, utilizando enzimas de restrição, o DNA é fragmentado em pequenos pedaços. Os diferentes fragmentos obtidos terão tamanhos diferentes, que variam de indivíduo para indivíduo. Colocando estes fragmentos num meio apropriado, por exemplo num gel, e submetendo-os as campo eléctrico, eles vão deslocar-se com velocidades diferentes. Através de métodos apropriados de visualização podem localizar-se esses fragmentos e identificar o individuo pelo número de fragmentos em que o seu DNA foi dividido.
A ciência forense utiliza esta técnica para comparar DNA dos indivíduos suspeitos, uma vez que pode fornecer pistas fiáveis, através da análise de pequenas porções de sangue, cabelo, sémen ou qualquer tecido encontrado nos vestígios dos crimes. Por este processo também se pode identificar corpos irreconhecíveis ou mesmo resolver problemas de História.
 
 
Técnica do PCR (reacções de polimerização em cadeia)
 
Uma questão que se levanta quando se pretende trabalhar com os genes dos indivíduos é a quantidade de DNA que é necessária. Como obter tal quantidade de DNA?
Com esta técnica do PCR os cientistas amplificam uma determinada porção de DNA:
  1. Aquecem o DNA para separar as duas cadeias
  2. Adicionam nucleotidos e a enzima DNA polimerase para que a dupla hélice se reponha a partir de cada uma das cadeias simples
  3. Repetem o procedimento até obterem cópias suficientes dos DNA em estudo.
 
Uma dificuldade que se levantou nesta técnica foi a de conciliar um processo que de corre a elevadas temperaturas com a fragilidade da enzima DNA polimerase. Assim, recorreu-se aos microrganismos, utilizando-se a DNA polimerase, extraída das bactérias que vivem em meios muitos quentes.
 
 
Bibliografia:
publicado por cienciaforenseap às 13:54

Janeiro 20 2010

 

 

 

 

Esta entrevista foi realizada no ICBAS e tem como objectivo recolher informações importantes e indispensáveis a cerca da Medicina Legal.
 
Entrevistada:
Nome: Maria José Carneiro de Sousa Pinto da Costa
Profissão: Médica Legista e Professora no ICBAS
Anos de experiência: 32 anos
 
1- Se tivesse de descrever a sua profissão como a descreveria?
            Como médica legista, eu descreveria a profissão de medicina legal muito entusiasmante e desafiadora. É uma profissão que todos gostam, porque tem um pouco de louco, polícia e de médico, o que é aquilo que normalmente as pessoas são. Também a acho gratificante, pois a medicina legal tem um papel social muito relevante e contribui para o bem-estar das pessoas.
 
2- O que a levou a escolher a área de medicina legal?
            O que me levou a escolher a área de medicina legal foi o facto de eu gostar da área de tanatologia, ou seja, das autópsias. Na minha época, as cadeiras do professor Pinto da Costa eram muito apelativas e entusiasmantes. Também havia excesso de médicos e algumas especialidades das quais eu não gostava. Essencialmente o que me levou a escolher a área de medicina legal foram as aulas do professor Pinto da Costa. Tanto foram que eu acabei por me casar com ele. (risos)
 
3- Ao longo da sua carreira profissional qual foi a causa de morte que a mais chocou?
            Todas as mortes das crianças. Homicídios, ou seja, infanticídios. Houve um que eu ainda me lembro, em que uma rapariga estudante universitária matou o filho, devido a problemas de desonra. Era solteira, não era daqui da zona, não sabia como justificar a sua gravidez perante a família, tinha falta de apoio, que na altura se dava ás mães solteiras… tudo isto levou a que ela cometesse aquele acto. Ainda hoje me lembro da autópsia e de todo o caso.
 
4- Que tipo de competências os alunos podem adquirir a partir deste curso?
            Saber fazer o diagnóstico de uma autopsia, ter um conhecimento geral da biologia e da toxicologia, saber fazer uma autópsia e saber também a avaliação do dano, especialmente a nível penal, uma vez que a medicina legal funciona muito mais para os vivos do que para os mortos. Nós examinamos mais de dez mil pessoas vivas por ano e autopsias são mil. Contudo, as autópsias são as que causam um maior impacto social.
 
5- Para aqueles que pretendem seguir esta área, que mensagem lhes transmitiria?
            Primeiro tirem uma especialidade noutro ramo, uma vez que eu estou convencida que a medicina legal não é uma especialidade médica. A medicina legal é um mundo e eu não posso saber tudo. Eu não posso saber tudo a cerca da biologia, da toxicologia, da clínica... Se assim fosse, eu seria uma super especialista. A medicina legal é uma sub especialidade de uma especialidade. (ver video)
   www.youtube.com/watch
 

6- Há quantos anos se encontra nesta área?

            Há 32 anos. Já sou muito experiente (risos).

  

7- Sente que desde então existem mais pessoas interessadas em medicina legal?

            Sim, antes a medicina legal era aquela profissão que cheirava mal, por causa das autópsias, dava pouco dinheiro e haviam muito poucos médicos. A partir dos anos noventa a medicina legal foi equiparada à medicina em termos de remuneração. Desta forma, começaram a aparecer mais pessoas interessadas. Também o facto de existirem séries televisivas hoje em dia, tal como o CSI, levou a que as pessoas procurassem mais esta área.

8- Considera que a medicina legal tem evoluído ao longo dos tempos?

 (ver video)

 
 

9- Quais as técnica utilizadas na realização de uma autopsia?

  (ver video)
www.youtube.com/watch
 
10- A que áreas se encontra a Medicina Legal ligada?

            A todas. A medicina legal hoje em dia esta ligada a todas as especialidades clínicas e medicas. Mas não só. Também está ligada á toxicologia, á farmacêutica, á área da biologia, á balística, em casos de armas de fogo, á engenharia e também á própria electrónica, para a identificação de vozes.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por cienciaforenseap às 09:34

mais sobre mim
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO